Tela em mixed media com reaproveitamento de materiais

Uma presilha de cabelo, uma bolsinha indiana, jornal, amostra de bordado, botões, peças moldadas para um brinco que nunca foi feito, restos de areia colorida, velhos prendedores de roupas...

Objetos que já cumpriram sua missão e tinham como destino certo o lixo, foram, ao invés disso, cuidadosa e carinhosamente estudados e transformados num trabalho artístico: uma tela em mixed media, técnica com a qual venho trabalhando nos últimos meses.

Para quem não conhece, mixed media é um tipo de arte visual que consiste em usar mais que uma técnica: não só pintura, não só colagem, não só aplicações. A imaginação é o limite!



Ao fundo foram usadas pinturas com tinta acrílica, giz de cera, carimbos, retalhos de guardanapos de papel e de papéis de scrapbook.



Projetei esta tela e mais uma numa noite de inspiração. Coloquei sobre a mesa as telas e os potenciais objetos que poderiam ser usados e fui compondo um esboço do trabalho. No final, fotografei para ter uma referência no momento da execução.

Eu só não esperava que, entre a composição e a foto, o Totoro apareceria para brincar com os objetos.

"O que é isso, humana?"

"Gostei desta rolha, vou pegar pra mim."

Entre peças misturadas e outras jogadas no chão, salvaram-se todas.

Espero que tenham gostado e que sirva de inspiração para muitos reaproveitamentos.

A saga de um cachorrinho de resina

Vocês já devem ter visto no blog e nas redes sociais do Luka Luluka este cachorrinho:


Esta foto é da última vez em que ele apareceu por aqui, no post sobre o pote de bençãos.

Desde que o blog existe ele aparece eventualmente em alguma postagem, no Instagram e Facebook.

Este cachorrinho tem uma longa trajetória: ele foi comprado no Japão, em dezembro de 1998, numa lojinha de artigos de hyaku iene (100 ienes), equivalente às lojas de R$ 1,99 aqui do Brasil, só que muito muito melhor. Comprei junto com ele uma cadeirinha de madeira proporcional ao seu tamanho. Lembro bem da data porque fui com minhas amigas para comprarmos presentes para o amigo secreto que faríamos próximo ao dia de Natal. Muito coincidentemente ganhei de amigo secreto outro cachorrinho e outra cadeira da mesma linha! Era um pastor alemão em posição sentada que, infelizmente, quebrou há um bom tempo atrás. Eu não gosto de objetos quebrados e não tenho problema em me desfazer deles. Penso que eles já cumpriram sua missão e não tem uma energia boa quando quebrados.

Já este cachorrinho está tão perfeito quanto em 1998 e, desde que comecei a trabalhar na empresa que trabalho ainda hoje, em 2002, ele fica sobre meu computador. Uma cliente uma vez pediu para ela, pois se parecia muito com o seu de verdade. Também não tenho dificuldades em dizer não rsrs.

Agora vou contar duas histórias:

História 1: sempre que organizo as coisas em alguma parte da casa, descarto itens que não tem conserto e separo para doação os itens que estão em condição de uso. Há cerca de um mês, separei alguns sapatos e outros itens, que foram colocados numa sacola de plástico bem grande. Para não ficar atrapalhando a circulação aqui em casa, coloquei a sacola no porta malas do carro.

História 2: comecei a trabalhar num projeto que vai durar alguns meses e que exigiu que mudássemos, eu e meus colegas,  para outro prédio da empresa. Começamos nesta segunda-feira e, na sexta-feira anterior, fui até o meu local de trabalho, antes do horário do curso que estava fazendo, para organizar meus pertences. Joguei coisas fora, guardei algumas coisas de trabalho, separei outras para levar no novo local e, a maioria dos objetos pessoais, separei para levar para casa. Esqueci de levar uma sacola e não havia nenhuma no local então peguei na cozinha uma saco de lixo vermelho para colocar meus pertences. Como estava muito pesado, um colega se ofereceu para me ajudar a levar as coisas até o carro. Eu levei o saco e ele levou nas mãos uma caixa de chá e uma pilha de uns 5 livros. Dentro dessa caixa de chá eu coloquei alguns desenhos de meus filhos que estavam num painel em minha mesa, um infusor de chá, um minion e meu cachorrinho. Coloquei no porta malas e eu deveria ter levado tudo pra casa  no fim de semana mas, com o cansaço e a correria, acabei me esquecendo.

Você já deve ter imaginado o que aconteceu. Na quarta-feira meu marido ficou com o carro e nos encontramos à tarde. Enquanto aguardávamos nossa filha, eu comentei com ele sobre o trabalho e que tinha que me lembrar de pegar meu fone de ouvido que estava no porta-malas. Ele então disse: "é um vermelho?". Disse que não me lembrava se tinha vermelho nele mas era aquele bom que ele mesmo havia me dado. Ele então completou "porque eu aproveitei e levei umas coisas na igreja para doação".

Fiquei de boca aberta, tentei pensar rápido, perguntei o que ele havia doado, ele disse que era uma sacola e mais algumas coisas. Se lembrava de que tinha uma caixa de madeira. Minha caixa de chá!! Não, vamos até a igreja, eu explico pra moça da secretaria a situação. Olhei no porta-malas e senti falta da caixa de chá e dos livros. Todos eles.  Já na secretaria da igreja, a moça explicou que tinha algumas coisas com ela mas que outras já haviam sido entregues ao bazar (e o bazar estava fechado). Eu olhei a sacola e a caixa de chá estava lá, assim como 3 dos livros. Me lembrei do infusor que não estava na caixa mas eu havia pago tão barato e muita gente não sabe o que é um infusor então achei desnecessário pedí-lo de volta. Me lembrei de um livro que estava faltando mas não tinha tanta importância, a caixa de chá havia sido recuperada. Ela pediu pra eu escrever num papel o que estava faltando e meu número de telefone para ela verificar no dia seguinte e me ligar. No dia seguinte logo pela manhã a moça realmente me ligou dizendo que havia encontrado o livro e uma disqueteira, que também era minha e eu não me lembrava. Eu disse que passaria pegar à tarde, na volta do trabalho mas, por um contratempo, precisei ir direto pra casa. Só quando cheguei em casa foi que tive um insight! Meu cachorrinho!!! Olhei na caixa de chá e ele não estava lá. Fiquei triste, de verdade.

De manhã disse ao meu marido que eu iria até a igreja na volta do trabalho buscar os objetos e verificar se encontrava o cachorrinho. Contei a história para meus colegas de trabalho que disseram que eu deveria voltar ao Japão para comprar outro. Eu teria que ir num DeLorean igual ao Marty McFly em De Volta para o Futuro (já contei que sou muuuuito fã da trilogia?) para encontrar um objeto fabricado há 19 anos atrás. Ele tinha valor sentimental pra mim. Pensei em fazer pesquisa por imagem no Google para ver se encontrava outro igual ou fazer um anúncio de procura-se. Sério, gente, a cabeça viaja longe rsrs. Chegando na secretaria, a moça não se lembrava de mim, eu disse que ela havia me ligado, ela prontamente pegou os objetos e então eu mostrei pra ela a foto que havia tirado de uma pesquisa no Google com a imagem do cachorrinho (esta mesma aí do topo da tela) e perguntei "por acaso, você não viu este cachorrinho, ele é deste tamanho assim" e ela rapidamente foi até um aparador onde havia imagens de santos e meu cachorrinho estava lá!! Ela pediu desculpas, disse que havia voltado do bazar e eu a interrompi dizendo que quem pedia desculpas era eu pelo transtorno e pela confusão e que ela não fazia ideia de como ela havia me deixado feliz. A vontade era de dar um abraço nela mas ela estava do outro lado do bancão e também tinha cara de que iria me achar louca se eu fizesse isso.

Cãozinho de volta pra casa, são e salvo igual a Mônica <3.

Pensa numa pessoa feliz!

Meu inu (cachorro em japonês) sobre o livro que me fez voltar para buscá-lo.

Você já perdeu algum objeto de valor afetivo? Conseguiu recuperá-lo? Me conta!


San

Deidades em gesso com pintura em pátina

Há muito tempo atrás, numa terra atelier bem distante, havia uma crafter que tinha lampejos de inspiração e conseguiu, num único fim de semana, concluir mais de 10 trabalhos...

Vocês não imaginam como tem sido meus dias desde o primeiro feriado do mês passado. Contei no post anterior sobre a viagem inesperada que fizemos e, dias antes disso, minha rotina já tinha ido para o espaço por causa de horários e lugares alternativos no trabalho. Esta semana que as coisas voltaram a ficar estáveis, embora eu esteja trabalhando mais longe. Conto um pouco mais no próximo post, sobre uma aventura que vivi esta semana e que vou escrever assim que publicar este.

Peço desculpas pela ausência no blog e pela demora na continuidade da série Fim de Semana Criativo.

Em A Magia da Pátina, de 2012, falo um pouco sobre minha paixão por pintura em gesso e a dificuldade de encontrar peças. Se você não leu o post, vai lá e aproveita para incrementar seu vocabulário e descobrir o que é pianha. Ano passado senti quase uma necessidade de pintar gesso aliada à vontade de pintar deidades do hinduísmo e também um Buda.

Depois de muito pesquisar, encontrei um site que tem uma diversidade muito grande de peças e preços interessantes. Na verdade eu pirei com as peças de lá, queria comprar quase tudo. Fiz uma seleção de peças e pedi o orçamento do frete que ficou uma fortuna! Sério, só eu acho quase uma extorsão o valor dos Correios para PAC? Tem tanto artesão que poderia vender muito mais se os correios não cobrassem muitas vezes mais que o valor dos trabalhos para fazer a entrega! Enfim, fiz a compra e recebi no prazo combinado, que não foi rápido pois eles iriam fazer as peças, o que, para mim, valorizou mais ainda. As peças vieram cuidadosamente embalas uma a uma em jornal. A fábrica fica em Taubaté, no interior de São Paulo e, se eu morasse perto, acho que iria dar uma passada por lá semanalmente. Este não é um publieditorial, caso você possa se perguntar. Na verdade eu gosto de compartilhar estes achados com os leitores e também de promover pequenos empresários e artesãos. Depois que você terminar de ler este post, te convido a conhecer o site da Nova Casa de Gesso.

Também do interior de São Paulo, em Pedreira, comprei muitas peças em MDF pela internet com um preço muito bom mas atualmente a loja está passando por uma reestruturação e não está fazendo vendas online, então não posso compartilhar o link com vocês. Mas estou antenada, assim que eles voltarem, ou quando descobrir outro fornecedor interessante, compartilho aqui no blog.

Vamos aos trabalhos. Na sequência: Buda, Ganesha e Shiva Nataraja.






Eu bem que tentei fazer uma sessão de fotos com as peças prontas mas o Totoro estava empenhado em participar das fotos, como você pode ver abaixo:



E, por fim, este delicado anjinho que eu encontrei no comércio local.



¿Qué tal?

Também sobre gesso, recomendo o post 'a loja de gesso' ou 'pagamento mico com as amigas' pra você saber ou lembrar da vergonha que passamos em Pedreira.

Veja também os posts anteriores da série Fim de Semana Criativo:
1 - Mais telas para a parede da sala
2 - Uma tela em mixed media para o meu amor
3 - Tic tac tic tac... relógio de parede DIY
4 - Reaproveitamento peculiar e facílimo


Abraços e que a alegria esteja com todos vocês.

San

Reaproveitamento peculiar e facílimo

O álbum Innocence + Experience Live In Paris, do U2, veio com uma brincadeira: a lâmpada no centro da capa é um adesivo removível que esconde outra lâmpada com uma imagem do palco.

Comprei uma moldura de madeira na loja de 1,99 e pintei-a de preto com tinta acrílica fosca. Revesti o fundo da moldura com contact branco e colei a lâmpada. Só isso.

Bem clean e de efeito. Você pode comprar papel contact colorido e cortar nele formas variadas e copiar a ideia.



Eu não disse que era fácil?

Abaixo, a composição de quadros da parede da sala.



Veja também os posts anteriores da série Fim de Semana Criativo:
1 - Mais telas para a parede da sala
2 - Uma tela em mixed media para o meu amor
3 - Tic tac tic tac... relógio de parede DIY


Abraços e que a alegria esteja com todos vocês.

San

Tic tac tic tac... Relógio de parede DIY

Este é terceiro post da série Fim de Semana Criativo que deveria ter ido ao ar durante a semana passada mas houve um contratempo: meu marido me ligou na quinta-feira à tarde enquanto eu estava em reunião e propôs irmos para o interior de São Paulo visitar nossas famílias. Quando? Naquele dia mesmo à noite! Como eu estava muito ocupada e sou bem chatinha para viajar, gosto de organizar tudo com antecedência, se eu parasse pra pensar certamente minha resposta seria não. Ao invés disso eu disse: vejam entre vocês, me surpreendam! Obviamente nós fomos =) Depois de passar em casa para tomar banho e comermos uma pizza, partimos à noite: nós 4 + o namorado da Luana + Mônica + Totoro. Uma festa!! Foi tudo muito bom e o saldo negativo foi o cansaço que teve que ser administrado durante esta nova semana.

Mas vamos nos inspirar com uma ideia bem fácil? Então vamos!!

Estes círculos em MDF são muito versáteis. Originalmente criados para serem usados como sousplats - eu mesma fiz quatro aqui pra casa, forrados com tecido - mas me obriguem a usar uma peça só para a finalidade original dela! Hunf! Compramos vários outros, a Lu vai pintar algumas mandalas e separei um para fazer um relógio para a sala.


Antes do resultado final, pensei em fazer de outras duas formas diferentes:

Primeiro, iria usar uma técnica de mixed media em que a base são folhas de papel de seda carimbados, depois você trabalha sobre a seda, com pintura e colagens. Mas aprendi num outro trabalho fail, que a técnica só pode ser aplicada em telas, que tem porosidade. No MDF, a tinta do carimbo mancha a peça.

Depois vi uma ideia muito bacana (que eu vou achar o link pra colocar aqui :S) em que eram usadas peças de dominó para marcar os números. Como este relógio foi pensado para ficar na parede de entrada da casa, achei que a ideia seria mais adequada para o quarto do meu filho.

Então vi um relógio bem clean feito pelo Paulo Biacchi do canal Tente Isso em Casa que me inspirou. Como minha peça era de MDF e não de madeira, optei por dividir a tela em duas e pintar as duas partes: uma com a técnica de pátina com corante de madeira e outra com tinta acrílica.



Para facilitar para meu filho a leitura das horas, os 12 pontos de horas foram marcados com fatias de 1/6 de rolhas de vinho cada.

A cor e a rolha combinaram com o porta-chaves mostrado neste post.


Olhando assim, parece que falta algo na parede, não falta? Ou não falta?


Veja também os posts anteriores da série Fim de Semana Criativo
1 - Mais telas para a parede da sala
2 - Uma tela em mixed media para o meu amor


Abraços e que a alegria esteja com todos vocês.

San <3

Uma tela em mixed media para o meu amor



Este é o segundo post de uma série diária de seis que começou ontem, onde mostro os trabalhos concluídos no último fim de semana.

Esta tela, que fiz para meu marido, foi até agora meu trabalho mais diverso em mixed media, unindo pintura, colagem, carimbos, bordado e aplicação de peças em MDF.

Você tem a chave do meu coração


A frase "tu tienes la llave de mi corazon" foi tirada da canção La Tierra del Olvido do cantor colombiano Carlos Vives mas que eu conheci através do Playing for Change num vídeo que reúne 80 músicos colombianos! Se você puder, assista:


Link para o video no Youtube.

O post de amanhã vai ser muito legal, volta pra ver ;)

Posts da série Fim de Semana Criativo
1 - Mais telas para a parede da sala


Abraços e que a alegria esteja com todos vocês.

San <3

Mais telas para a parede da sala

O último fim de semana foi muito produtivo aqui no atelier Luka Luluka. A inspiração chegou com vontade e concluí onze projetos em andamento que apresento pra vocês em uma série de seis posts, começando hoje com 3 telas que fiz para completar a parede da sala já mostrada neste post.

Tela 1: um pedaço de MDF de 3mm descartado de uma moldura foi usado como base para esta tela.

Se não agora, quando?


Tela 2: Minha filha Luana, quando criança, tinha um conjunto de móveis de cozinha de madeira. Doamos com outros brinquedos mas a porta de um armário quebrou e eu guardei para fazer alguma coisa no futuro. Vou te contar,

{Receita} Torta de Temperos da Vó Ilda

A foto desta torta fez sucesso no Instagram esta semana então compartilho com vocês a receita.

É uma receita feita por minha mãe há muito tempo, fica uma delícia e é muito fácil de fazer. Para aqueles dias em que você quer comer uma coisa gostosa mas não quer ter muito trabalho na cozinha.

Torta de Temperos da Vó Ilda 


Ingredientes:
- 3 ovos
- 1/2 xícara de óleo
- 4 tomates picados
- 1 cebola picada ou ralada (usei cebola em flocos)
- azeitonas picadas a gosto
- 9 colheres de farinha de trigo (substituí uma parte por farelo de trigo)
- 1 maço de cheiro verde (substitua por ervas secas de sua preferência se preferir)
- sal e pimenta a gosto
- 1 colher de sopa de fermento químico (pó Royal :)

Modo de fazer:
Em uma vasilha, bata os ovos e vá acrescentando os demais ingredientes, um a um, mexendo a cada adição. 

Coloque em uma forma untada. Se desejar, salpique um pouco de queijo parmesão ralado sobre a massa.

 Leve para assar em forno médio pré-aquecido por cerca de 15 minutos, até que esteja dourada e, espetando um palito ou faca na massa, este saia limpo.






Espero que você experimente e goste da receita. Aqui em casa ela faz parte do seleto grupo de receitas comfort food.

Obrigada e que a alegria esteja com todos vocês.

San <3

7 anos de blog (um pouco e muito de mim)

Hoje, 5 de abril de 2017, o Luka Luluka completa 7 anos de vida. Sete anos! Não vou escrever frases clichês como "parece que foi ontem" ou "tanta coisa aconteceu". Ao invés disso, vou compartilhar os motivos que me fizeram criar o blog e porque ele como é.


No século passado (noooossa!), em 1998, quando meu marido e eu nos preparávamos para irmos viver no Japão por tempo indeterminado, eu travava uma batalha interior de ansiedade e medo, tinha pesadelos, pensava em escrever futuramente um livro intitulado

Reutilizando um caixote de feira

"Nossa, Sandra,que ideia inovadora e criativa!"

Sei que a ideia é bem manjada e que não tem nada de novo nem original nela mas é o primeiro caixote de feira que reciclo, desejei por tanto tempo ter um e finalmente consegui unir objeto, vontade e necessidade. Além disso, gosto muito de trabalhar com madeira.


Aqui em casa reaproveitamos muitas embalagens como de azeitona, palmito, geléia, etc. Não tem nada de glamouroso nelas: elas são lavadas, os rótulos são retirados e uso, a maioria, para congelar molho de tomate caseiro, que faço duas a três vezes ao mês. Eu precisava de um local apropriado para guardar os potinhos e o caixote veio a calhar.

Vou explicando o passo-a-passo na legenda das fotos:

A fauna local ficou curiosíssima com o caixote que trouxe da feira domingo passado.

Lixei o caixote com lixa para madeira 80 e depois 120 para tirar o excesso de imperfeições e fiapos.

Tirei o pó com um pano e pintei com tinta latex branca, para selar os poros da madeira. Após secar, lixei de novo com lixa 80 e depois 220.

É muito importante usar proteção no momento de lixar a madeira. Nunca tive problema de alergia com tintas nem MDF mas lixar o caixote me rendeu uma irritação incrível nos olhos. Esta foto é do momento que que fui lixar a peça após ter sido pintada com tinta latex.

Misturei tinta acrílica branca e aqua e apliquei na peça com uma trincha de espuma

Enquanto esperava a tinta secar, busquei e imprimi rótulos antigos de frutas para aplicar na peça. No Google ou Pinterest, digite "printable label vintage". Se você for como eu, vai querer rotular a casa inteira.

Após cortar os rótulos com régua e estilete, selei-os com goma laca, na frente e no verso. Apliquei na peça usando cola branca diluída em água.

O acabamento de toda a peça foi feito usando cera em pasta incolor.

Rótulo mais largo no comprimento da caixa

Rótulo menor na largura da caixa


Potinhos acomodados no tão desejado caixote, que ficou lindo ao invés de ir para o lixo.

A peça à esquerda, na foto acima, é um porta bolos pintado com a técnica de pátina mexicana que foi uma delicia de fazer. Assunto para o próximo post, ok?

oOo

Espero que tenham gostado, deixem aqui seu comentário e compartilhem o post.

Obrigada e que a alegria esteja com todos vocês.

San
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...