Pular para o conteúdo principal

Quem você alimenta?

Hoje li uma história contada pela organizadora Carmen Coker, que é mais ou menos assim:

Um velho da tribo ameríndia Cherokee estava ensinando seus netos sobre a vida e ele disse:
"Há uma batalha sendo travada dentro de mim... é uma luta terrível entre dois lobos:
Um lobo representa o medo, a raiva, a inveja, a tristeza, o arrependimento, a cobiça, a arrogância, a auto-piedade, a culpa, o ressentimento, a inferioridade, a mentira, o falso orgulho, a superioridade e o ego.
O outro lobo defende a alegria, paz, amor, esperança, partilha, serenidade, humildade, bondade, benevolência, amizade, empatia, generosidade, verdade, compaixão e fé." 
O velho encara as crianças com um olhar firme e continua: "Esta mesma batalha está sendo travada dentro de vocês e dentro de todas as pessoas."
As crianças pensaram no assunto por um minuto e então uma delas perguntou ao avô: "E qual lobo vai vencer?"
O velho Cherokee respondeu: "aquele que você alimentar".

Por que estou contanto esta história? Porque ela veio de encontro ao meu anseio de postar no blog hoje e das razões para isso.

A vida não é fácil, nem pra mim nem pra ninguém, as pessoas sempre tem do que reclamar, se quiserem. Me mudei com minha família há 9 meses para uma cidade a 1000 km de minha cidade natal. Deixamos nossas famílias e amigos que amamos, damos duro o dia todo e à noite a energia que sobra muitas vezes é consumida pelas crianças, ávidas por atenção. Isso é ruim? Claro que não! Significa que eu tenho família, trabalho, casa e um lugar longe pra fugir nas férias e que também pode ser chamado de lar.

Outro dia assisti um episódio de House em que o paciente tinha transtorno bipolar. Eu não conhecia bem a doença, achei graça e disse aos meus amigos que eu era bipolar. Sem querer desrespeitar os que sofrem deste ou de outro transtorno, eu só queria dizer que, muitas vezes, eu me empolgo com facilidade, faço planos mirabolantes e depois não tenho ânimo para continuar. O velho bom senso, mesmo que oculto em meu cansaço, me diz que eu devo ir mais devagar. São estes conflitos que me fizeram achar a história do índio familiar e apropriada para este post.

Não, eu não vou ser artesã profissional. Eu não vou ter uma loja de artesanato virtual. Eu não vou ganhar dinheiro com o que me dá prazer. Por que não? Eu tenho a profissão que escolhi, amo amo amo o que faço (sou analista de sistemas), tenho uma família linda pra cuidar e eu vou fazer artesanato quando eu quiser. Infelizmente também não vou salvar o planeta sozinha, guardando e reciclando as embalagens de tudo o que consumo. Procuro alternativas: a princípio, buscar postos de coleta seletiva. A médio prazo... bom, a médio prazo a gente conversa depois.

Eu escolho alimentar a alegria, a paz de espírito, o amor aos meus, eu escolho alimentar a serenidade.

Isso vai durar pra sempre? É claro que não. A inconstância é uma de minhas características mas vou tentar me lembrar desta história sempre que me sentir exausta emocionalmente.


E quem você vai alimentar?


Comentários

  1. É isso aí, Sandra! Sempre digo que tudo na vida é uma questão de prioridades e de escolhas :)
    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  2. Que bacana seu depoimento, San! Abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…