Pular para o conteúdo principal

reaproveitando um retalho de madeira

Aí que eu estava aguada de vontade de fazer um post. Mas vou te falar, se tem uma coisa que não tenho feito ultimamente é arte. Rapaz, de onde saiu este cansaço todo eu não sei te contar ao certo. Na verdade é a combinação de uma série de fatores.

Mas enfim, eu tenho uma pasta aqui no meu computador onde eu coloco as artes a publicar. Sabem que eu gosto de publicar no blog as coisas feitas por nós. E, entre as fotos, estava esta aí, não sei porque não mostrei antes, será que é porque não sei que nome dar a peça??


Pode ser um porta-chaves, porta-recados, pode exibir fotos... eu tinha um pedacinho de compensado dando sopa fazia tempo. Aí participei de um amigo secreto no fim do ano passado e a proposta original da brincadeira era cada uma fazer o presente da amiga. Eu pintei a peça, patinei alguns prendedores, apliquei um pedaço de laise e colei os prendedores.

Agora o meu erro, que eu só fui perceber depois que enviei o presente: para que pudesse ser pendurado na parede, usei UM lacre de latinha de refrigerante, aparafusei-o, ficou muito bom o acabamento. Mas pensa, se colocar pesos diferentes nos prendedores, o porta-trecos vai pender né! Cabeçuda! Ah, não contei que foi a Fabi Teixeira que recebeu o presente. Eu me desculpei com ela e a orientei  a colocar dois lacres.

Nem dava mesmo pra eu mentir dizendo que acabei de fazer a peça porque a decoração natalina iria me entregar. Repararam? É uma garrafa de azeite com tiras de crepom e um vidro com pinhas patinadas de prata.

Além de não fazer arte, nos últimos dias tenho me empenhado em acabar com as pendências: enviar cartas, presentes e livros pelo correio, que agora só dá pra ir de sábado, terminar de ler livros antes começados, peitar um medo antigo e só.

Alguém tem uma vitamina aí?

Comentários

  1. OI SAN...
    QUE SAUDADE DE LER SEUS POSTS...
    AMEI SUA ARTE...FOFO DEMAIS...
    EU ESTOU IGUALZINHA À VC...TERMINANDO DE LER UNS LIVROS QUE COMECEI HÁ A ALGUM TEMPO...RSRSRS...
    XERO NA LU E NO LUQUINNA...
    BJINHOS E ATÉ MAIS...

    ResponderExcluir
  2. Olá Sandra, tudo bem?

    Que idéia legal essa, tão simples e prática. Gostei muito.

    ps.: cupcake é uma delícia não é mesmo, imagina um fondue...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…