Pular para o conteúdo principal

'Compartilhando talentos: sapateira de caixotes' e 'Café no teclado árabe'

Compartilhando talentos: sapateira de caixotes


Trabalho da minha cunhada e chará, que já havia mencionado antes neste post. Desta vez ela usou caixotes maiores para fazer uma sapateira pra colocar os sapatos e tênis do dia a dia.


Sapateira de caixotes de supermercado

Sobre a sapateira, uma caixa abriga as meias, deixando tudo prático, lindo e organizado.

Sapateira de caixotes de supermercado

Sem os sapatos, pra vocês verem como a ideia é simples:

- Caixotes de supermercado limpos e lixados;
- Aplicar uma mistura de cera em pasta incolor com cera de carnaúba e algumas gotas de neutrol;
- As caixas foram amarradas entre si com barbantes de couro, mas podem ser fixadas com parafuso.

Café no teclado árabe


Pelo título já deu pra saber porque não teve post no domingo passado ¬¬

Sábado de manhã, friozinho gostoso, fui acordada com um beijo e um tchau do marido, ele estava saindo para um reunião. Perguntei se ele havia tomado café, ele disse que não mas disse para eu não me preocupar que ele que tomaria café no trabalho.

Logo levantei, fiz café e só vi que havia colocado duas medidas - a dose para nós dois - quando já estava coando. Resolvi fazer um pouco mais de café e também um pouco mais forte.

Fui para a minha escrivaninha liiiiinnnda que estava caótica até alguns dias atrás mas que eu limpei e organizei tudo então pra mim ela estava perfeita. Hora de prosseguir com o delicioso ritual matinal: tomar café lendo os blogs que gosto pelo Google Reader e buscar inspiração para meus projetos. Mas, numa fração de segundos, vi meu sossego acabar quando a caneca se desequilibrou e virou todinha sobre meu teclado árabe.

Gritei, corri pegar panos, limpei o teclado superficialmente e o coloquei de bruços sobre um pano enquanto limpava a escrivaninha, o chão, a gaveta...

Mas eu não me estressei não, só sabia que tinha um trabalho a mais no fim de semana, sem crises.

meu teclado árabe
Foto que eu tirei de qualquer jeito pra eu ver a posição das teclas na hora de montar de novo.

Tirei todas as teclas, coloquei-as de molho em água com sabão. Limpei o teclado com álcool e cotonete. Depois de limpas e secas, era hora de colocar as teclas de novo no lugar. Aí que o Lucas quis me "ajudar". As coisas ficaram tensas e meu marido, com sua paciência oriental, se ofereceu para terminar o trabalho.

Teclas do meu teclado árabe
As teclas, quando eu ainda tinha esperanças de que o teclado funcionaria.

Cansei até de contar essa história, então vou resumir o resto:
- algumas teclas não funcionavam
- precisava abrir o teclado mas não encontrei a chave philips
- fiquei brava e fui dormir
- no dia seguinte achei a chave, abri, limpei os circuitos mas ainda assim algumas teclas continuavam não funcionando
- aí eu chutei o balde e desisti de salvar o meu teclado. Ao menos de usá-lo na sua função original.

Na terça meu marido comprou um teclado e um mouse novos pra mim. Quanto ao velho... uahahahahahahahahaha não joguei fora... me aguardem.


 
Sobre o teclado árabe, eu estudava o idioma e o teclado ajudava bastante na hora de fazer as atividades. Acho lindo, tanto a pronúncia quanto a grafia. Quando Luquinhas chegou, eu pausei o curso mas ainda mantenho a paixão e a vontade de aprender árabe. Cada coisa no seu tempo.


Beijos!

p.s. Vocês viram o post sobre paper child da minha Lu? Ela está fazendo tanta coisa criativa nestas férias, ô orgulho viu.

Comentários

  1. Olá Sandra, tudo bem?

    Gostei muito da idéia de sua cunhada, ficou organizado, e muito prático.

    Agora você me surpreendeu: estudando árabe? Que legal!
    É muito interessante estudar outra idioma, e poucas pessoas se aventuram a aprender uma língua tão diferente da nossa como o árabe. Eu também acho uma língua muito bonita, gosto muito do som do árabe, como tbém gosto muito da comida árabe.

    Que tarde trabalhosa q você teve minha amiga.
    Eu já trabalhei como datilógrafa em uma editora, e a primeira lição q aprendi lá foi q a gente nunca deve ter nenhum líquido próximo ao teclado de computadores. Na época eu achei frescura, mas eles tinham razão.
    Que bom q você ganhou um teclado e um mouse novos.
    Bom estudo pra você :)

    ResponderExcluir
  2. Sandra,

    Que legal seu interesse pelo idioma árabe. Creio que esses incidentes aconteçam para nos colocar no ritmo certo. Adorei a sapateira, ideia ótima e prática.

    Beijos e ótima semana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…