Pular para o conteúdo principal

Gaiola decorativa feita com embalagem de bombom

Nesta minha vida de crafter recicladora tenho visto ideias incríveis pela internet. Quem busca inspiração online para fazer seus trabalhos sabe que há de se ter cuidado pois às vezes passamos tanto tempo vendo o trabalho dos outros, o acesso à informação é tão fácil, que acabamos muitas vezes exaustos, tão sufocados de ideias que não sobra espaço para o nosso próprio processo criativo. Não sei se isso acontece com vocês mas comigo é fato.

Por outro lado, às vezes me deparo com ideias que são nada menos que geniais. E estas eu guardo com carinho e, sempre que possível, faço também. Este trabalho eu vi há um ano atrás... sabe aquelas coisas que marcam? Achei incrível e comentei com algumas amigas, coisa que não tenho o hábito de fazer pois nem todo mundo é craftaholic como eu e eu respeito as diferenças :)

A ideia é da Maria Reciclona e olha que interessante: minha filha ganhou no fim do ano uma caixa de bombons, eu achei bonita a embalagem de acrílico e disse pra ela me dar, se ela não quisesse. Pensei em usá-la como bomboniere mesmo e também pensei na gaiola da Maria Reciclona mas só quando Lu me deu a caixa e eu abri o post pra ver como ela fez foi que percebi que era a mesma caixa. Eu tinha em mente que a original tinha sido feita com uma caixa de Ferrero Rocher. E outra coincidência é que eu abri o post dela exatamente um ano depois dela tê-lo publicado.

Devaneios à parte, não achei legal usar a embalagem como bomboniere porque era frágil e também de "prástico", não ficaria nada elegante.


Por que tem papel toalha dentro da caixa? Nada a ver com o projeto, é que, antes de fazer a gaiola, estava fazendo um monstrinho de papel marche com meu filho e usamos a caixa para guardar os retalhos de papel.

Inspirada na gaiola da Maria Reciclona, fiz a minha versão. Ela usou também aqueles palitos de plástico que juntos, viravam brinquedos de encaixe, lembram-se?
Eu tinha em casa palitos de churrasco e de sorvete e foi o que usei. Medi e colei os palitos com cola branca, pintei-os com base para artesanato e depois com tinta acrílica. Na caixa eu passei primer e, depois de seca, pintei também com tinta acrílica. Montei a estrutura com Super Bonder. O topo fiz com uma tampa de fermento em pó e outra de isotônico e pintei da mesma forma que a caixa.





Gostaram do meu sapo yogi dentro da gaiola?


E esta mistureba de coisas que é nosso mini jardim? Além das artes das crianças, que eu amo, tem esta tábua sem acabamento e, se você reparar bem, na última foto tem uma tampa de madeira e rolha secando ao sol. Ah Sandra, assim não dá, assim seu trabalho não vai ser publicado em revistas de decoração, poxa.



De qualquer forma, espero que tenham gostado e que também se sintam inspirados.

San

Comentários

  1. Sandra querida. estou aqui, pura emoção, com o coração em festa!!!! Essa gaiolinha foi cortejada por muitos rsrsrs mas somente você a fez assim com tanta semelhança e tanta delicadeza. Fiquei muito feliz por ver que o passo a passo que postei era realmente funcional e que poderia sim valer para alguém craftholic como eu rsrsrs. Amei querida, amei. Parabéns você brilhou!!!!! Beijos.

    ResponderExcluir
  2. oi sandra
    tu acredita que estou com esta embalagem guardada desde o Natal
    e nãofaço
    tu fez e ficou linda
    como que cola os palitinhos
    com cola especial?

    tenho que me animar
    ficou um espetaculo
    e a profi ja veio dar a nota
    dez né
    bjs
    lu

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…