Pular para o conteúdo principal

Câmera Instantânea Fujifilm Instax Mini 8

Tudo começou há poucos meses atrás... Bem, na verdade, começou há bem mais tempo, na minha infância. Calma que vou ser sucinta. Preciso perguntar para meu irmão mais velho qual era a história da câmera Polaroid, não sei se ele cogitou em comprar ou emprestou de alguém mas me lembro de, na época, ficar fascinada com a ideia de que existia uma câmera que revelava fotos na hora! A primeira câmera de meu irmão foi uma Kodak Repeteco. Minha mãe e eu somos as guardiãs, até os dias de hoje, das fotos daquela época. Foto quadradinha, algumas com bordas. Foi por isso que eu me apaixonei, de cara, pelo Instagram. Olhe leia minha alegria quando o Instagram foi disponibilizado para Android.

Ah é, poxa, eu disse que seria objetiva. Então vamos lá, voltando ao ano de 2014, vi, ocasionalmente, nos eCommerces, as câmeras Instax. Achei interessante, mas pensei: "Legal mas não é pra mim". Não sou grande fã de fotografia, de levar a sério, fazer curso, aprender técnicas. E também, há meses travo uma batalha com meu universo de coisas, no sentido de desentralhar, diminuir, preparar-me logística e psicologicamente para uma mudança e atingir o nirvana de me sentir organizada e clean.

Mas no fundo, a vontade ficou. E quando eu decido que quero uma coisa, fico andando em círculos, pensando, e só encontro paz quando eu consigo o que quero ou consigo me convencer de que não preciso ou não devo ter aquilo. Comprei no ano passado um caderno muito lindo da Detudoumpoucobsb, porque o tecido era lindo, cheio de bandeiras, mas não havia decidido a utilidade dele ainda. Este foi o gancho que meu subconsciente encontrou para me convencer - eu, uma pessoa geralmente frugal mas atualmente um tanto consumista - de que eu precisava ter uma Instax. Mais ou menos assim: "Poxa Sandra, você tem aquele caderno lindo com bandeiras na capa e você gosta de guardar algumas recordações das viagens que você faz, então, imaginou tirar uma foto de uma paisagem do lugar que você visitar e colocar naquele caderno lindo, junto com suas anotações e outras lembranças??!". Sou tão na minha, não encho o saco de ninguém e jamais serviria para ser vendedora de qualquer coisa porque não tenho o perfil, mas vou te falar, meu subconsciente é f**a!

Aí que a vontade foi maior, eu ando numa fase candy colors, me apaixonei pela câmera azul e comprei.

Oi mundo!

Ela chegou ontem e, por sorte, chegou junto o filme que eu comprei em outra loja. Imagina a agonia de ter a câmera e não poder tirar uma fotinho sequer. Cheguei em casa com muita dor de cabeça, almocei e então abri a caixa. Vou ser sincera: ao manuseá-la pela primeira vez, não achei tão glamourosa quanto imaginava. Parecia que eu estava manuseando um brinquedo. De plástico, toda mecânica. Não senti decepção mas também não foi aquele óóóóóóóóó que linda!!

Eu não queria tirar a primeira foto em casa. Saímos e a primeira oportunidade de usá-la foi à noite, num espaço aberto. Tsc tsc tsc. Há uma década usando câmeras digitais e tirando foto irracionalmente, me esqueci de que tirar fotos requer um mínimo de técnica e também requer ler o manual com atenção. O zoom dela, que sempre dispara, tem alcance de 0,6 a 2,7m. "Vai Lucas, sobe naquela escada" e ele estava numa distância de uns 10 metros. Foto 1: saiu tudo preto, com exceção de um poste num cantinho da foto. A foto 2 também não saiu lá essas coisas mas ao menos saiu.

A primeira foto da minha Instax. Sem capa, emprestei uma touca do Lucas para levá-la na bolsa :)

No dia seguinte, tiramos duas fotos dentro de casa, para matar a vontade e a curiosidade. Aí sim saíram boas. Fofa a reação do Lucas as ver a foto aparecendo: "Que mágico!".

A câmera tem um seletor de exposição e, ao ser ligada, ela sugere a melhor opção, ascendendo a luz correspondente. Você observa a indicação luminosa e gira o seletor para a posição indicada.

Lâmpadas do seletor de exposição

Há ainda uma posição ainda mística para mim, chamada hi-key, que deve ser usada em fotos internas "quando desejar mais luminosidade ou suavidade", de acordo com o manual.

No feriado vamos fazer um piquenique e eu vou aproveitar para fazer algumas fotos externas. Conto a experiência das fotos externas e da hi-key em um ou mais posts, eu prometo.

As primeiras fotos e o plástico que protege o filme e sai antes da primeira foto.

O modelo mais recente é a Instax Mini 8 e ela está disponível nas cores branca, rosa, azul, verde e amarela. O valor dela não é alto, o que fica caro são os filmes. Cada foto sai em torno de R$ 2,00 a R$ 2,50. O lance é ficar atento a promoções e não sair clicando tudo e qualquer coisa, de qualquer jeito. Este é o ponto e o que me fez gostar mais dela: é como uma volta no tempo, você tem que pensar antes de fotografar, estudar o ângulo, a luz, como fazíamos antes das digitais. Salvo os fotógrafos profissionais, como disse um amigo no trabalho dia desses, hoje há uma banalização da fotografia. Tiramos fotos de tudo e de todos, em qualquer lugar, sem pensar, sem analisar, pela facilidade de poder excluir depois, escolher a melhor e, o mais triste, muitas vezes baixamos tudo e elas ficam lá, numa pasta no computador, sem serem tratadas, filtradas, vistas.

Os filmes da Instax são vendidos, aqui no Brasil, em caixas com dois cartuchos de 10 fotos cada. Comprei também uma capa linda de couro azul pra ela, mas esta foi no eBay então um dia ela chega.



Compartilho com vocês, nos próximos posts, os próximos cliques e descobertas da minha Instax.

Beijos,


San

Comentários

  1. Oie, adorei saber da existência dessa máquina, seu post tbm me remeteu ao passado...lá pelo fim dos anos 70....minha primeira máquina fotográfica, daquelas baratinhas, tinha que comprar o flash, a revelação era cara...Instamatic era o nome se não me falha a memória...
    Uma graça a sua e a cor é muito linda!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Dalva, ela é uma delícia mesmo e o fato de ser toda mecânica é que me chamou mais a atenção. Só conheci a Instamatic por fotos, acho tão linda.
    A primeira câmera que tive contato foi uma do meu irmão, Repeteco era o nome dela. O flash era separado também e as fotos saiam quadradinhas.
    Obrigada por seu comentário, um beijo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…