Pular para o conteúdo principal

Quadro para expor medalha com mosaico

Quando meu filho nasceu, ganhou de minha amiga uma linda medalha com a imagem de uma criança e seu anjo da guarda. Ela vinha pendurada numa fita larga de cetim azul claro e ficou no seu guarda-roupas até nos mudarmos, quando foi guardada até finalmente nos mudarmos novamente, então fiz um quadro para expor a medalha.

Usei uma moldura simples de madeira, pastilhas de vidro, base para artesanato (pode ser tinta latex), tinta acrílica, verniz fosco e cola universal.


Optei por escurecer a moldura, para combinar melhor com o tom de verde das pastilhas.

Como não tinha marrom, fiz uma misturinha. Para se obter marrom, você basicamente pode misturar preto com qualquer cor que não seja branco ou cinza, que obterá um tom de marrom. Minha mistura preferida é preto + verde mas, como também estava sem verde, usei preto + vermelho + azul.


Depois de pintar a moldura e o fundo, lixar levemente para dar um toque envelhecido e passar verniz fosco, fixei as pastilhas e a medalha com cola universal

Este é o resultado:


Se por um lado ficou um pouco "sério" para um quarto de criança, por outro permite que o quadro acompanhe o seu crescimento, não destoando de uma decoração menos infantil. Penso em criar um elemento orgânico para o quarto, para combinar com este quadro e deixar a decoração mais equilibrada.

Espero que gostem e que sirva de inspiração para seus próprios projetos.




P.S. Antes que alguém fique com pena da minha precariedade de tintas, gostaria de dizer que refiz meu estoque depois.  ;)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…