Pular para o conteúdo principal

Um up no porta-chaves

Assim que nos mudamos, há poucos meses atrás, fizemos uma deliciosa maratona de compras para a casa. Não assim, qualquer coisa, a qualquer preço. Objetos escolhidos a dedo e na medida do nosso orçamento. Se não dava pra comprar, esperávamos um pouco. Ainda tenho uma lista considerável de objetos de que precisamos e vamos comprando ou fazendo aos poucos, dentro de nossas possibilidades de tempo e dinheiro.

Meu marido é relativamente clean. Ele gosta de linhas simples e modernas. Já eu gosto de uma mistura de moderno com antigo, cores, curvas, artesanal. Contei um pouco sobre isso outro dia neste post.

Para equilibrar os nossos gostos, compramos um porta-chaves de metal escovado e colocamos num canto da cozinha, na parede ao lado da geladeira, logo na entrada da casa. Ficou bonito e funcional mas então a nova geladeira chegou e ela era mais alta do que imaginávamos e o porta-chaves perdeu seu lugar.

Como não havia na cozinha nenhum outro local funcional, optamos por colocá-lo na parede atrás da porta de entrada mas aí encontrei um problema: colocar o porta-chaves direto na parede de alvenaria, em pouco tempo a parede estaria toda suja e riscada. Ahaaa estava aí uma chance de transformar um problema numa oportunidade de fazer arte e mostrar meu estilo.

Usando um retalho de madeira de pinus, sobra da escrivaninha de meu filho, fiz esta base, colando nela o porta-chaves original.

Pinus + tinta + rolhas de vinho + porta-chaves

Optei por deixar a lateral sem pintar, exibindo o veio da madeira e combinando com a cortiça.


Você pode usar a mesma ideia colocando ganchinhos ou mesmo preguinhos como porta-chaves. Já falei alguma vez que a imaginação é o limite?

Aqui, o porta-chaves atrás da porta.


Espero que tenham gostado e que sirva de inspiração para suas artes. Se fizer, me mostra? Pode mandar um mail para atelierlukaluluka@gmail.com ou através de contato no Facebook ou Instagram.

Até a próxima!
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…