Pular para o conteúdo principal

Peanuts, O Filme

Fomos ontem, já na estréia, assistir Snoopy & Charlie Brown - Peanuts, O Filme.

Brinquei, no final de dezembro, que, agora que quase todo mundo já tinha assistido Star Wars, O Despertar da Força, era a minha vez de começar a contagem regressiva para assistir o meu filme esperado.

fonte
O filme é uma graça, muito bem feito. Snoopy é mais malandro do que o que conhecemos nas tirinhas mas, no geral, captou a essência dos personagens de Charles Schulz.


Quem não conhece de antemão os personagens pode achar o filme ingênuo, mas Peanuts é assim. O que faz dos personagens um sucesso é a poderosa mensagem do bem que carrega: generosidade, amizade, lealdade, coragem, superação. Tudo transmitido com leveza e humor. 

Meu filho gostou, riu bastante e acho que vai agradar às crianças, principalmente as menores.

Para ser sincera, não posso dizer que adorei o filme mas de antemão eu sabia que isso iria acontecer porque a adaptação de uma obra tão rica não poderia ser melhor que a obra original. Sou daquelas chatas que, no geral, gostam mais do livro que do filme =)

Sabe o que me chamou a atenção? A falta de material publicitário do filme na área de entrada do cinema. Parece que era o filme mais esperado entre os lançamentos de janeiro e não tinha um cartaz sequer, além do colocado na área onde ficam todos os filmes. Frustrei. Ah, e tive que falar "Snoopy" para o moça da bilheteria e de novo para a moça da entrada na sala porque elas não entenderam "Peanuts".

Fiquei emocionada mesmo no final (não é spoiller), após a última cena, quando aparecem os personagens originais, em preto e branco e a assinatura de Schulz. Depois, com os créditos, muitas imagens coloridas dos personagens. Eu me recusava a levantar da poltrona enquanto contemplava as ilustrações e minha filha disse: "deve estar chorando". Fiquei emocionada mas não foi pra tanto.

Somos muito fãs, meu filho e eu, das tirinhas de Peanuts. Conheço o Snoopy desde criança, é claro, mas não tinha tido contato com as tirinhas de Charles M. Schulz até poucos anos atrás.

Já contei que temos o hábito de ler para o Lucas, hoje com 8 anos, desde que ele tinha 2 anos de idade. Foi neste hábito que nos aproximamos das deliciosas tirinhas de Charlie Brown e sua turma.

Eu adoro Calvin & Haroldo e o Lucas se interessou também, há cerca de 2 anos atrás. Ríamos muito mas achei que não seria muito apropriado para um garotinho de 6 anos ler histórias do Calvin, ao menos não com exclusividade. E foi aí que Peanuts entrou. Em pouco tempo, estávamos encantados e havíamos nos tornado grandes fãs da turma do Snoopy.

oOo

Vocês viram que o McLanche Feliz deste mês traz a turminha?

Este Snoopy é o meu favorito:


Caso não consiga visualizar o vídeo, ele está disponível também no Instagram e no Facebook.

Conseguimos na semana passada a última peça da coleção, o Schroeder:

https://www.instagram.com/p/BAQOBNoHn3u/?taken-by=lukaluluka


oOo

Acaba de ser lançada no Brasil a biografia de Charles Monroe Schulz, Schulz & Peanuts - A Biografia do Criador do Snoopy. Está na minha lista de leitura e na espera de um preço mais camarada.


Espero que assistam e gostem do filme e que, se tiverem oportunidade, leiam Peanuts para as crianças.


Que a alegria esteja com todos vocês.

Comentários

  1. Oi San, estamos querendo ir na próxima semana, adoramos essa turma. O filho já é adulto, mas ainda curtimos os bonequinhos de personagens que curtimos.
    Obrigada pela visita no blog (tão paradinho, não sai daquele doce de abóbora rs.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. rsrs gostei do "que a alegria esteja com vocês" rsrs.
    Menina, eu adorava também. Gostava tanto do cãozinho como da Márcia (que chamava todo mundo de "meu" rs). A estressada da Beth Pimentinha, o Lino e seu piano... ahh... que época boa.
    Ainda ontem comentava com minha irmã que o Snoopy estaria no cinema. Vamos ver se desta vez consigo ir (ainda não vi Star Wars!).
    Curto livros de biografias, mas geralmente são muito caros em seus lançamentos. Aguardo um tempo para poder comprar. Se ler, publique a resenha pra gente, depois.

    Quanto ao Projeto, será uma alegria ter você conosco. Vamos realizar em 2016!

    Abração esmagador e lindo dia.

    ResponderExcluir
  3. Ohhh que lindo seu Snoopy do vídeo!
    Preciso arranjar alguma criança para dar o lanche e ficar com a coleção de brinquedinhos!!! (Sou vegetariana rs).
    Abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…