Pular para o conteúdo principal

Tartarugas por toda parte

Antes de começar a escrever, fiz uma pesquisa para saber se eu já havia contado a origem da minha paixão e coleção de tartarugas. Nunca contei.

Não é um grande segredo nem uma história incrível mas eu sempre falo de minha coleção aqui no blog e vivo postando fotos das minhas queridinhas então vou contar quando e onde exatamente começou. Senta que lá vem a história.



Desde criança eu tenho um quê com coleções. Lembro de minha mãe me incentivar a colecionar chaveiros, dizendo que poderíamos fazer um painel para deixá-los expostos. Na adolescência iniciei três coleções: latinhas, selos e cartões postais. Cheguei ao cúmulo de, quando morávamos no Japão, colecionar as latinhas de lá e, na volta, enviar todas elas para o Brasil através de navio. Minha filha nasceu e as latinhas deixaram de ser interessantes. Elas ocupavam um espaço que eu não dispunha mais, além do que, dava um trabalho enorme mantê-las limpas, organizadas e expostas. Quando mudamos de cidade, há quase 7 anos atrás, nos desfizemos de muitas coisas. Tentei vender a coleção mas não dispunha de tempo para organizar, catalogar e fotografar. Elas ficaram guardadas em caixas até pouco tempo atrás, quando minha sogra me perguntou se podia doá-las e eu concordei.

A coleção de selos tenho até hoje mas faz muito tempo que não adquiro nenhum selo novo nem organizo. Ela é linda e rica mas muitos dos selos não seguem um padrão de coleção de valor. Na filatelia, não é possível colecionar todos os selos do mundo, é necessário escolher um tema, um país, uma época. E minha coleção é muito sortida. Vou ter que decidir se vou mantê-la ou passá-la para frente. Marie Kondo* não chegou até ela ainda.

Os cartões postais eu coleciono até hoje. Comprados por nós em viagens e também presente da família e dos amigos. Minha sobrinha é fiel colaboradora desta coleção e também da minha mais recente paixão: tartarugas.

Foi no segundo semestre de 2007 que eu comecei a colecionar tartarugas. Pensando bem, acho que me lembro exatamente o local e o momento em que tudo começou. Estava grávida do Lucas e, após meses de muitos cuidados e repouso, eu havia sido liberada para viajar de carro. Fomos para Monte Verde, cidade de Minas Gerais pela qual temos muito carinho e somente boas recordações. Estava numa das muitas lojas de sabonetes artesanais, vi lá a segunda ou terceira tartaruga do dia e então perguntei à atendente sobre uma pedra exposta na vitrine. Ela disse o nome e deu uma explicação confusa e me lembro de ter uma espécie de insight e decidir começar a colecionar tartarugas. De lá vieram as primeiras da minha coleção.

De lá pra cá, ela só faz crescer. Nunca contei quantas tenho, a maioria são objetos decorativos mas tenho também uma coleção paralela de tartarugas de pelúcia e outra de bijoux.

O layout do Luka Luluka está sendo modificado mas a tartaruguinha logo, esta permanece. O logo foi feito a partir da digitalização de um carimbo que eu fiz com E.V.A.

Minha família e amigos s-e-m-p-r-e colaboram com minha coleção, veja algumas das últimas tartarugas que ganhei:

Da minha amiga Kellen, colar de miçangas feitas por índios americanos

Presente da minha cunhada Sandra, bolsa (no tamanho exato para o notebook) do Projeto Tamar <3 em Porto Seguro

Da minha priminha Tânia (mas embalado por minha mãe rsrs)

Presente da minha sobrinha Brenda, pulseira em couro e pedra turca, da Hippie Artesanatos. E as sementes de girassol que acompanham? Achei tão legal!

Dias atrás voltei a usar este pingente, presente de tempos atrás da amiga Ana.


Lembra que contei que fomos para Pedreira pagar mico em 2012? Entre as poucas aquisições na época, três delas formas estas tartarugas em MDF que finalmente usei: fiz quadrinhos usando molduras de madeira compradas em lojas de 1,99 e retalho de tecido.. Eles estão guardados e serão expostos junto da mini estante com divisórias que vou comprar para expor minha coleção. (Vamos combinar, o valor do frete dos Correios é desanimador, não acham?)


Eu acho que coleção é para ser mostrada. Neste álbum do Pinterest, juntei várias ideias para expor coleções. Suspiro a cada uma daquelas mini estantes com  divisórias.

oOo

*Quanto a Marie Kondo, você provavelmente já leu ou deve ter ouvido falar do livro A Mágica da Arrumação. Vou escrever sobre ele em breve.

oOo

Ótima semana e que a alegria esteja com todos vocês.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…