Pular para o conteúdo principal

Quadro para calendário

Duas coisas que eu não gosto em paredes: 1) calendários, daqueles da casa de material de construção ou do supermercado, sabe? 2) Fotos de rosto enoooormes.

Desculpa se você estiver lendo este post for fã dos itens mencionados. Não quero magoar ninguém, só não gosto na minha casa.

Então. Quando Lucas estava no maternal, a escola enviou convite para que as crianças fossem fotografadas. Oba, adoro!! Tenho fotos lindas da Lu e do Lucas na primeira escola deles. Só que nessa última escola era diferente. Você dizia se queria ou não que a criança fosse fotografada e as fotos vinham em tamanho 10x15, num calendário e num quadro. Fujam pras colinas!! Eu não podia escolher só um formato de foto. Aceitei porque queria ter registrado aquela fase na escola. Quando recebi, pasmem, era a mesma foto em todos os formatos /o\

O bom da história foi que a moldura do quadro grande era boa, bem estruturada. Guardei-a para fazer algum trabalho. Quando ganhei de uma amiga um calendário de parede lindo, com ilustrações do Edward Gorey, eu vi a oportunidade de unir o útil ao agradável.

Comprei papéis de scrap e tive que me controlar para não comprar ao menos uns 30 e fiz uma modesta composição e simpática composição.




Pintei a moldura e nuvens em MDF com a mesma cor, coloquei o fundo e fixei a capa do calendário no quadro com fita dupla face. Um prendedor pequeno serve para segurar as  páginas.


Na hora de fotografar encontrei um problema: fixei o quadro na parede (também com fita dupla face) no corredor de acesso aos quartos então não consegui um bom ângulo para as fotos.



As ilustrações de Edward Gorey

Embora esteja rodeada por tecnologia - e talvez por isso - eu prefiro agenda de papel. Uso uma no trabalho e outra pessoal. E iniciei também um esboço de planner para o blog. Uma espécie de agenda semanal, excelente para planejar e se manter organizada.

Nós usamos o calendário de parede para marcarmos os compromissos da família: consultas, visitas, viagens, etc.

Quando o ano acabou, não encontrei nas livrarias locais um novo calendário para substituí-los. Com o ano já começado e a urgência, baixei e imprimi um calendário simples e coloquei sobre o calendário anterior, assim, meio displicentemente.



Hoje outros quadros e peças utilitárias fazem companhia para o quadro de calendário. Te mostro em breve.

oOo

Que a alegria esteja com todos vocês.


Comentários

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…