Pular para o conteúdo principal

A saga de uma toalha de crochê

Minha mãe comprou a linha
eu queria dizer que era Cléa, Anne ou não sei qual
mas o mundo dos nomes das linhas de crochê fogem ao meu conhecimento.

Minha mãe fez as toalhas, uma grande e várias pequenas.
Minha mãe me deu as toalhas
eu guardei todas num baú.

Me casei e usei as toalhas
Nos mudamos e as toalhas de novo foram guardadas.
Compramos nossa casa e as toalhas aguardaram muito tempo para receberem atenção.

Finalmente lavei, passei as toalhas e voltei a usá-las
Lavei após o uso
Totoro, o gato, puxou a toalha do varal
Mônica, a "cã", rasgou a toalha, ah não!
A toalha forrou uma tela e agora virou objeto de decoração.
{FIM}



Que a alegria esteja com todos vocês!


Comentários

  1. Oi Sandra, a almofada ficou linda e tem história pra contar, o melhor de tudo! foi minha avó que me ensinou a fazer crochê, tenho algumas coisas delas aqui e também quero transformar. Dia desses fui à casa de minha madrinha e ela me deu uma toalha de saco alvejado, que era da minha vó...com barras de crochê, tão singela...de um tempo que toalhas eram um luxo que não era para muitos.
    Ah, esses bichos são tão terríveis, mas são tão cheios de amor e alegria!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Luluca
    não só virou decoração, ficou em lugar de destaque
    onde todos podem admirar sua beleza!
    uma ótima dica, tenho uma toalhinha por aqui ....
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Eu adorei a ideia, mesmo com a parte trágica.
    Tenho toalhas de crochê que guardo com muito carinho.
    Beijo de "arroizete"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…