Pular para o conteúdo principal

Deidades em gesso com pintura em pátina

Há muito tempo atrás, numa terra atelier bem distante, havia uma crafter que tinha lampejos de inspiração e conseguiu, num único fim de semana, concluir mais de 10 trabalhos...

Vocês não imaginam como tem sido meus dias desde o primeiro feriado do mês passado. Contei no post anterior sobre a viagem inesperada que fizemos e, dias antes disso, minha rotina já tinha ido para o espaço por causa de horários e lugares alternativos no trabalho. Esta semana que as coisas voltaram a ficar estáveis, embora eu esteja trabalhando mais longe. Conto um pouco mais no próximo post, sobre uma aventura que vivi esta semana e que vou escrever assim que publicar este.



Peço desculpas pela ausência no blog e pela demora na continuidade da série Fim de Semana Criativo.

Em A Magia da Pátina, de 2012, falo um pouco sobre minha paixão por pintura em gesso e a dificuldade de encontrar peças. Se você não leu o post, vai lá e aproveita para incrementar seu vocabulário e descobrir o que é pianha. Ano passado senti quase uma necessidade de pintar gesso aliada à vontade de pintar deidades do hinduísmo e também um Buda.

Depois de muito pesquisar, encontrei um site que tem uma diversidade muito grande de peças e preços interessantes. Na verdade eu pirei com as peças de lá, queria comprar quase tudo. Fiz uma seleção de peças e pedi o orçamento do frete que ficou uma fortuna! Sério, só eu acho quase uma extorsão o valor dos Correios para PAC? Tem tanto artesão que poderia vender muito mais se os correios não cobrassem muitas vezes mais que o valor dos trabalhos para fazer a entrega! Enfim, fiz a compra e recebi no prazo combinado, que não foi rápido pois eles iriam fazer as peças, o que, para mim, valorizou mais ainda. As peças vieram cuidadosamente embalas uma a uma em jornal. A fábrica fica em Taubaté, no interior de São Paulo e, se eu morasse perto, acho que iria dar uma passada por lá semanalmente. Este não é um publieditorial, caso você possa se perguntar. Na verdade eu gosto de compartilhar estes achados com os leitores e também de promover pequenos empresários e artesãos. Depois que você terminar de ler este post, te convido a conhecer o site da Nova Casa de Gesso.

Também do interior de São Paulo, em Pedreira, comprei muitas peças em MDF pela internet com um preço muito bom mas atualmente a loja está passando por uma reestruturação e não está fazendo vendas online, então não posso compartilhar o link com vocês. Mas estou antenada, assim que eles voltarem, ou quando descobrir outro fornecedor interessante, compartilho aqui no blog.

Vamos aos trabalhos. Na sequência: Buda, Ganesha e Shiva Nataraja.






Eu bem que tentei fazer uma sessão de fotos com as peças prontas mas o Totoro estava empenhado em participar das fotos, como você pode ver abaixo:



E, por fim, este delicado anjinho que eu encontrei no comércio local.



¿Qué tal?

Também sobre gesso, recomendo o post 'a loja de gesso' ou 'pagamento mico com as amigas' pra você saber ou lembrar da vergonha que passamos em Pedreira.

Veja também os posts anteriores da série Fim de Semana Criativo:
1 - Mais telas para a parede da sala
2 - Uma tela em mixed media para o meu amor
3 - Tic tac tic tac... relógio de parede DIY
4 - Reaproveitamento peculiar e facílimo


Abraços e que a alegria esteja com todos vocês.

San

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…