Pular para o conteúdo principal

A Saga de uma caneta de bordado

Sábado passado chegou esta agulha de bordado que eu havia comprado em janeiro pelo eBay e tinha até perdido as esperanças de receber.


Eu tinha feito vários planos de projetos criativos para o fim de semana e aprender a usar a caneta de bodado não estava entre eles mas a curiosidade era grande.

Depois de aprender a passar a linha pela agulha, lá fui eu fazer um teste com um pedaço de algodão cru. Fiz alguns pontos e então percebi que os pontos ficavam soltos. Ou seja, a caneta, obviamente, não fazia aquele movimento de entrar por um buraco e sair em outro... No alto da minha ignorância pensei: mas que porcaria!

Frente do bordado

Verso do bordado

Procurei por videos usando a caneta e encontrei um tutorial em que a moça fazia quadrinhos bordados e, para os pontos não se soltarem, ela fixava no verso do trabalho com cola quente. Achei tão tosco e lá fui eu reclamar no Instagram. Que feio!

Uma amiga viu meu post e me mandou uma mensagem, dizendo que a agulha é para fazer ponto russo. Quando ela disse isso, o pensamento voou longe, muitos anos atrás, e eu me lembrei de minha mãe falando desse ponto russo, que tinha que ter uma agulha especial para bordar... 


A partir daí fiz algumas pesquisas e, longe de mim querer ensinar alguma coisa sobre a técnica, mas vou compartilhar com vocês o que aprendi:

  • Ponto russo se faz com o tecido no avesso e o molde invertido;
  • A caneta de bordado, também chamada de "agulha mágica" tem um botão em que você regula o tamanho da agulha e, consequentemente, a altura do ponto. Quando menor o tamanho da agulha, mais baixo fica o ponto;
  • A orientação é contornar duas vezes o risco e então preencher seu interior;
  • Depois de pronto, usa-se termolina leitosa no verso do bordado para fixar os pontos e evitar que se desfaçam. 
  • O bordado que eu vi, originalmente, e também este que eu fiz - o coração no final do post - foi feito no direito do tecido, ou seja, não é o jeito certo de se bordar mas pode sim ser usado para trabalhos decorativos;
  • A agulha tem um lado certo em que se deve avançar; 
  • Para encontrar exemplos de uso em inglês, procure por "punch needle";
  • É possível fazer tapetes com ponto russo;
  • Há uma variação do ponto russo chamada ponto russo pelúcia em que se regula a agulha para fazer pontos mais altos e então, os pontos são cortados um a um.

Ainda no sábado, tentei, tentei e tentei de novo usar a agulha...

Troquei o tecido, a linha, a espessura da agulha...








Só no dia seguinte consegui fazer uma brincadeira com a agulha, usando linha de crochê e tecido de algodão.




Só para reforçar, este não é o jeito certo de bordar ponto russo, mas pode ser usado para objetos decorativos, desde que se fixe os pontos atrás com ajuda de cola.

Ainda como parte da experiência, coloquei o bordado para lavar no ciclo normal da lavadora e ele não se desfez.

Agora preciso comprar uma tecido adequado e também linhas.


Muito obrigada a todos pelas dicas e palavras de incentivo.


San

Comentários

  1. Gostei, San! Bendita internet, que ensina tudo...Não tinha a menor ideia de como era, pra mim faltava a linha debaixo, rsrs...
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra mim também rsrs Meu erro foi reclamar antes de entender melhor o funcionamento.

      Abraços, Ana.

      San

      Excluir
  2. Vc explica super bem e muito bem detalhado.
    Pessoas que lerem este artigo jamais terão dúvidas sobre este trabalho.
    Obrigada por existir e nos ajudar ensinando coisas boas !!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…