Pular para o conteúdo principal

Música da Minha Vida: La Bamba

A música deste mês tem muita história pra contar. Estava em dúvida quanto à escolha, então fui rever minha cdteca. Não é pra exibir não, é que eu queria contar a história desses CDs aí.


Antes, vou falar da discoteca dos meus irmãos. Eu era menina e meu irmão mais velho, 12 anos a mais que eu, comprou, com dinheiro de trabalho, seu primeiro aparelho de som, um estéreo, como eles diziam. Me lembro que todo mês, após receber o pagamento, meus irmãos iam até uma loja de discos de rock na cidade vizinha, e compravam todo mês 2 ou 3 discos de vinil. Era muito valioso pra eles e uma festa em casa. Uma barulheira, na verdade rsrs. Pensando hoje, era tão bacana todo aquele esforço. Hoje as músicas, todas, estão ao alcance das mãos, em qualquer aplicativo de música ou vídeo. Perdeu um pouco a graça, eu acho. Eu mesma, tenho dificuldades de me encantar com músicas novas.

Quanto à minha cdteca, em 1998, quando meu marido e eu fomos morar no Japão, eu tinha uns 10 CDs, no máximo. No Japão, assim que eu recebi  meu primeiro salário, comprei a trilha sonora de Evita, que eu tanto queria. Eu sou muito fã do Antonio Banderas! Depois comprei a trilha sonora de A Balada do Pistoleiro. Depois 18 'till I die, do Bryan Adams... e então, naquelas nossas andanças de domingo, quando tínhamos o dia livre e evitávamos ficar em casa para meu marido não ser chamado para trabalhar no seu único dia de folga, descobri,os um sebo de CDs. Pensa numa pessoa feliz! Era muito barato! Eu ficava horas olhando CDs e sempre saía da loja com alguns. Esta é a história da minha CDteca, a maioria dos CDs são de segunda mão, caprichosamente garimpados.

E a música de hoje é La Bamba. A versão original, de 1958, é de Ritchie Valens, cuja história é contada no filme La Bamba, de 1987. A versão da música para o filme, interpretada por Los Lobos, é a que marcou minha vida.


A música fez muito sucesso na época do filme e eu tenho a lembrança muito viva de dançar com meu marido ao som de La Bamba na formatura da minha cunhada.

Com vocês, La Bamba!



Este é o quinto post da série Música da Minha Vida, ideia da Virginia do blog O Tacho da Pepa.



Vamos conhecer mais uma música e a história das participantes?


Virginia - O Tacho da Pepa
Chica    - Vendo as cores da Vida
Dalva    - Pinceladas Papo e Poesia
Lia        - Lia Agio 



San

Comentários

  1. Oi San, que legal, delícia de música, dá vontade de sair dançando!
    Também adorava a sensação de sair da loja com um LP ou compacto...Só quem viveu isso para sentir, hoje como vc disse, está tudo à mão.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Oi Sandra, quando comecei trabalhar comprei um aparelho 3 em 1, depois veio os CD e acabamos usando muitos discos para artesanato, o amplificador do aparelho de som queimou e não valia a pena arrumar, hoje em dia me desliguei um pouco, quando quero ouvir algo vou na internet, das músicas novas, ouço muito pouco, não quero contaminar minha memoria musical, kkkkkkkk. "Dancei" muito essa música, e se tocar vou agitar o corpo, tenho que fazer isso escondido para ninguém achar que estou tendo uma convulsão..kkkkkk
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
  3. Que legal! E quem não lembra dessa música? Gostei de ver tuas recordações!Boas danças a reviver! bjs, chica, lindo domingo!

    ResponderExcluir
  4. oi Sandra, eu comprei um micro sisten 3 em 1 com o meu primeiro salário... mas na verdade nunca fui fanática por música, só ouvia o que estava na moda e tocando nas rádios.
    Essa música La Bamba é muito conhecida, porém eu nunca tinha visto a versão original dela.
    bjk

    ResponderExcluir
  5. Aqui vem muitos toques para iPhone e toques para Android. Música conecta pessoas ao redor do mundo. Acabei de baixar o toque do celular em Tonos123. All are free

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…