Pular para o conteúdo principal

Música da Minha Vida - Chuá Chuá

Respira fundo, vamos lá...

A música que escolhi para esta postagem tem uma carga emocional muito grande pra mim. Não é uma música pessoal minha, mas fez parte da minha infância. Em todos os encontros de família, festas de casamento, meus pais e tios a cantavam. Devia ser um hit da época rsrs.

Me dói porque meu pai descansou há quase dois anos (completa em novembro) e a saudade ainda machuca.

Chuá Chuá teve vários intérpretes e eu não saberia dizer quem era o intérprete da época. No vídeo coloquei a versão com Pena Branca & Xavantinho mas certamente não eram eles pois trata-se de uma versão bem posterior (1992).

Em Meu nome é Sandra e eu faço as pessoas chorarem, eu contei um pouco da história dos vídeos emocionantes e de qualidade tosca que eu fazia na década passada para presentear a família e os amigos. Este abaixo, fiz para o aniversário da minha mãe.

Antes, para desatar um pouco o nó na garganta, uma foto leve. Quando minha filha tinha 9 anos, eu pedi para ela desenhar capas para guardarmos de um jeito especial um pouco das nossas memórias. hoje os CDs já são difíceis de assistir, meu notebook nem tem entrada para CD, preciso pedir o do meu marido emprestado, o formato dos arquivos não é reconhecido, preciso usar um conversor... mas as capas, ah, as capinhas continuam lindas!




oOo

Este post participa da blogagem coletiva Música da Minha Vida, ideia da Virginia do blog O Tacho da Pepa.



Vamos conhecer as músicas e histórias das participantes?

Virginia  -    O Tacho da Pepa
Chica      -    Fincando raízes
Nice e Ale - Ipsis Litteris



Obrigada e que a alegria esteja com todos vocês.


San


Comentários

  1. Oi Sandra, minha mãe as vezes cantava esta musica, lembro do refrão, do resto da letra não lembrava, gostei das fotos da sua mãe, memorias da família é algo precioso.
    Lindos guardanapos,essa é a mesma que pintou o quarto? talento nato.
    Bom fim de semana,beijos,Vi

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…