Pular para o conteúdo principal

A gente ama cozinhar

Chegou pelos correios hoje uma caixa contendo um pequeno objeto de desejo: uma pá para pizza. Com a receita perfeita e assadeira de ferro, só me faltava uma pá para poder assar mais que uma pizza e facilitar a brincadeira na cozinha (Anotei aqui: passar pra vocês a receita da pizza).


A foto acima mostra bem o nosso ecletismo rsrs: pá de pizza, livros de receitas saudáveis e japonesas.

Ontem eu estava inspirada. Começou com o lanche da tarde, a pedido do meu filho que está em férias: waffles. Há 4 anos atrás, em Monte Verde, Minas Gerais, após apreciar esta delícia todos os dias no café da manhã, tomamos a decisão de comprar uma máquina de waffles, um ótimo investimento! Um lanche delicioso que a gente começa a comer com os olhos e agrada em cheio qualquer visita. Se você ficou com vontade e não tem uma máquina de waffles, faz panqueca americana, que é tão bom quanto, hummmm.


Comecei a assistir a uma série japonesa na Netflix esta semana, Japanese Style Originator. Assisti o primeiro episódio por enquanto, é um programa de variedades e, apesar de amar a cultura japonesa, achei o formato do programas um pouco cansativo. Mas o que eu gostei mesmo foi de ver o chef fazendo tempurá. Eu adoro filmes com o tema culinária, adoro! Tem uma série chamada Midnight Dinner: Tokyo Stories, muito boa, me deixava com fome a cada episódio rsrs. E o tempurá? Eu tinha que fazer, fiquei com vontade.


Para fazer o tempurá, fui buscar a receita num antigo livro de cozinha japonesa e isso meu deu um baita saudosismo: o livro é da Ediouro, que vendia livros pelos correios. Jovens, entendam: não havia internet, a gente via propaganda de livros em revistas ou em outros livros, num folder na última página. Mandávamos o pedido pelo correio através do folder, que era um envelope pré-pago. Que legal, não me lembrava mais disso. Tenho mais alguns livros comprados naquela época, mostro em outra oportunidade.



Como sempre acontece quando estou muito inspirada, quero fazer mil coisas e, inevitavelmente as últimas não ficam boas. Fiz um bolo de banana que não cresceu muito bem e cuzcuz à paulista que ficou tão seco! Eu não fazia há muito tempo e não tinha uma receita nossa, peguei na internet para experimentar. Anotado: na próxima vez fazer uma quantidade menor e colocar mais água.

Às vezes a gente ganha, às vezes a gente aprende, não é não?


San



Comentários

  1. Rsssssssssssssssssssss
    Grande dúvida: o que é e como se faz tempurá? Parece bolinho de vagem, cenoura e couve flor misturados e passados no ovo. E fritos!!!
    É isso?
    Bjsssssssssssss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…