Pular para o conteúdo principal

Pão de Cristo - parte 2: refrescando o fermento

No post anterior, ensinei como começar do zero o fermento de garrafa. Você seguiu a receita e deixou a garrafa quietinha em temperatura ambiente por 7 dias. Agora, sem agitar, você vai abrir a garrafa aos poucos, para que o gás não saia de uma vez e transborde.

Se você ganhou o fermento de alguém é daqui que você começa também.

Nós precisamos refrescar o fermento antes de fazer o pão. Isso significa que você vai alimentar as leveduras para que elas se fortaleçam e se multipliquem.

Para isso, você vai colocar numa vasilha grande (eu uso uma vasilha de plástico para pipoca) a mistura de fermento que você retirou da garrafa, e acrescentar os mesmos ingredientes que utilizou para começar o fermento:

- 500ml de água;
- 60g (1/2 xícara) de farinha de trigo;
- 40g (1/4 xícara) de açúcar;
-5g (1 colher de sopa rasa) de sal.

Misture tudo, cubra com um guardanapo e deixe num local sem ventilação (eu deixo dentro do forno desligado) por 12 a 24 horas.

Guarde a garrafa onde você cultivou o fermento, vamos precisar dela amanhã. Você pode lavá-la mas só com água. Se quiser mesmo lavar com detergente, tenha certeza de que não sobrou nenhum vestígio dele pois isso contamina o fermento.

No próximo post vamos finalmente fazer o pão.

Por enquanto é só isso, até amanhã.

Ah, talvez você esteja se questionando se vale mesmo a pena esse "trabalhão" todo. Para começar, não é tanto trabalho assim. Depois que você pega o jeito, é tudo muito fácil e o prazer de ter pães quentinhos e deliciosos saindo do seu próprio forno valem o esforço.




San


Comentários

  1. Assei os meus pães hoje, ficaram uma delícia e com gostinho de infância!!!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Eu vim parar aqui pelo Twitter 🐞🌺🌹🎀🍑🍒

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…