Pular para o conteúdo principal

Estante de livros com reaproveitamento de materiais

Estou em minha última semana de férias*. Peguei três semanas e nestas férias não viajamos e, para falar a verdade, eu mal saí de casa. Poxa, que chato, você pode pensar. O que talvez você não saiba é que estas férias estavam planejadas desde outubro último e que eu mantinha desde então uma lousa com a contagem regressiva. Sabe por quê? Porque estas férias foram planejadas para receber e cuidar do novo morador da casa, o novo membro da gangue dos bichos, o Victor Van Vedder.

Prazer, Victor
Com uma cachorra e um gato em casa, a Mônica e o Totoro, eu precisava estar disponível em tempo integral para promover a integração do filhote e garantir seu bem estar. Missão cumprida! Duas semanas depois eles interagem, brincam e dormem próximos.

Mas o que isso tem a ver com o título da postagem? É que eu precisava ocupar meu tempo. Descansei até cansar nos primeiros dias, organizei estantes e armários e, na semana passada, coloquei em prática um projeto esboçado alguns meses atrás: fazer mais uma estante para a área da biblioteca. A "biblioteca" não é um cômodo mas uma parede no final do corredor.


Sempre quis ter um armário para guardar minha memorábilia: álbuns de fotos, journals (diários) e outras recordações. Além disso, sempre tenho livros separados para venda e doação e eles ficavam empilhados no chão da biblioteca, dando uma cara feia e bagunçada para o local.

Aliada à necessidade de um espaço, eu tinha muitas sobras de MDF e outros materiais. Nós fizemos uma casinha linda para a Mônica e o Totoro (eu nunca mostrei, vou tentar resgatar fotos) mas, depois de um tempo e após um inverno mais intenso, a casinha deixou de ser útil e nós a desmontamos. Isso estava dando trabalho porque os pedaços de MDF ficavam num canto da varanda e, como não podem ser molhados, era precisava retirá-los todas as vezes em que a varanda é lavada.

Medi o espaço disponível na biblioteca, os pedaços de MDF e calculei o que poderia ser feito.




Eu tinha ciência de que não ficaria perfeito porque:
- não sou profissional em marcenaria;
- não tenho serra circular e usaria serra tico-tico para cortar os pedaços de MDF;
- não tinha MDF suficiente nos tamanhos necessários então era preciso fazer alguns remendos.

Mesmo assim, confiando na minha criatividade, coloquei a mão na massa e montei o móvel numa única tarde:
- Pela manhã, conferi e fiz alguns ajustes no projeto e risquei o MDF;
- À tarde cortei o MDF e montei o móvel.

Por estar cansada, não conseguia pensar no acabamento. Mas nada como um dia após o outro e uma boa noite de sono. Acordei inspirada e decidi fazer uma pátina mexicana na parte externa.

Para não tornar este post muito extenso, ensino a técnica da pátina mexicana no próximo post.




Estante pintada, já numa pegada exagerada, kitsch, já que o móvel é exclusivamente meu, eu precisava fechá-la para manter seu interior mais limpo. Sei que cortinas não são uma unanimidade para fechar móveis mas a estante era uma criação 100% minha e eu decidi potencializar o estilo fazendo uma cortina usando retalhos que eu tinha em casa. Separei alguns retalhos, pensei nas combinações e mais uma vez fui dormir para amadurecer a ideia.


Cortina pronta, coloquei os pés no móvel, faltava colocar os retalhos de barra roscada para pendurar a cortina. Eu já havia deixado a estante furada, foi um sufoco rosquear toda a extensão da barra e meu filho me ajudou a serrar a sobra.


A estante mexican kitsch estava pronta!


Comentei com meu marido: sei que não está perfeito mas puxa orgulho que me deu!!

Ontem passei o dia num outro projeto: cadastrar os livros para vendê-los na Amazon.
Me propus a manter a loja por 3 meses. Vem conhecer os livros do Bazar Cultural & Colecionismo na Amazon e me ajudar a fazer os livros circularem.


Espero que tenho gostado do projeto e que ele te inspire também criar.


San


*Este post foi escrito na semana anterior mas tivemos alguns problemas de saúde e não eu não tive tempo nem ânimo para fazer a edição e publicar o post.

Comentários

  1. Parabens pelo novo membro da familia!
    Tem vezes que nem quero sair de casa por tempo prolongado pensando na minha filha peluda que fala Gatês.
    Eu tambem já tirei dias para organizar a casa, nem sempre ferias é viajar, ficar em casa é bom.
    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…