Pular para o conteúdo principal

Iogurtes Infinitos - dia 5

No café da manhã tomei o colágeno com mel e foi a melhor experiência até agora. Assim como a aparência sedosa, o sabor é bem suave e agradável. À tarde experimentei o viili. Ele e ácido e tem um sabor bem característico que eu ainda não consigo definir.


Ainda sobre o viili, escuta esta história. A vendedora havia me mandado a lista dos nomes dos iogurtes, a mesma que compartilhei com vocês num dos primeiros posts. O viili é também chamado de viili longo, por motivos que ainda vou descobrir. No primeiro dia do preparo, abri a embalagem e fui preparando cada um dos iogurtes e anotando o nome que estava no envelope. Um deles tinha Congo no nome. Eu li "vilu congo". Eu tinha lido que havia um iogurte cultivado por tribos africanas e pensei que pudesse ser esse. Quando percebi que o nome não estava na lista e não o encontrava em pesquisas na internet, vi que tinha algo errado, afinal, se o Google não encontra é porque não existe, não é mesmo?
Bastou eu fazer o match pra descobrir que o que eu identifiquei como "vilu congo" é, na verdade, o viili longo.

Eu tinha os iogurtes dos últimos dias na geladeira e misturei todos com gelatina. Ficou parecido com iogurte de garrafa, comprado em mercado. Um leve sabor amargo me preocupa. Alguns dos iogurtes tem este sabor e ainda não sei se é característica deles ou se estou com alguma alteração. Quando perdi meu kefir, ele tinha um sabor amargo.

Hoje não vou fazer o cultivo pois preciso de novos potes, que pretendo comprar amanhã cedo. Como estou cultivando uma quantidade pequena de cada iogurte, cerca de 50 ml, pretendo comprar copos americanos.

A partir de hoje vou anexar nos posts uma tabela com os iogurtes e as informações em aprendizado sobre cada um. Também vou diminuir a frequência dos posts.

Os próximos passos são:

  • providenciar novos vidros para o cultivo;
  • pesquisar sobre as características e particularidades de cada iogurte;
  • pesquisar sobre os micro-organismos de cada iogurte;
  • fazer seleção de receitas com iogurtes. 


Go iogurtes!



Sandra 

Comentários

  1. Oi Sandra, bem legal, você esta se tornando uma pesquisadora e o melhor é revelar os resultados dessa pesquisa para nós.
    Vou acompanhar para saber o resultado.
    Boa semana,beijos,Vi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi meninas, obrigada por acompanhar. O assunto é fascinante e é um prazer compartilhar com vocês.

      Um abraço!

      Sandra

      Excluir

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…