Pular para o conteúdo principal

Vamos fazer um junk journal?

Journal, em inglês, significa diário. Sabe o livro Destrua este Diário, de Keri Smith? O título original é Wreck this Journal. O journal pode ser usado para diversos propósitos: como diário propriamente dito, para guardar recordações, ideias, pensamentos, frases, coleções, para fazer arte, enfim, já deu pra entender que o céu é o limite. Você pode fazer o seu journal usando um caderno, um sketch book ou qualquer coisa parecida. Ou você pode criar seu próprio journal!

Tenho journal deste sempre, embora tenha descoberto  o termo não há tanto tempo. Há 3 anos faço journals anuais, onde guardo lembranças de passeios, viagens e momentos, recortes, fotos e anotações. O primeiro journal anual, de 2017, eu mesma fiz, empolgada com alguns videos sobre livros artesanais que vi no Youtube. No ano passado encomendei da minha amiga Kelly, do Kelly Batista Ateliê, um caderno para ser meu journal e o deste ano é um caderno espiral que comprei na Miniso no final do ano passado.

Também mantenho outros journals: de fotos da Instax, de cartas e cartões artísticos recebidos (ATCs, vamos falar disso em breve), de esboços de projetos artísticos e um para art journal.

Tá, Sandra, mas e o junk journal?

Junk Journal é um journal feito com reutilização de materiais. Parece só isso mas o universo de possibilidades é infinito! O journal em si tem inúmeras funções então imagine fazer a base dele com toda sorte de papéis e materiais que você quiser?

Minha amiga Valeria me apresentou o conceito no ano passado e eu mergulhei na ideia e fiz um junk journal para ser usado como art journal, para meus projetos em mixed media. Ou seja, fiz um caderno com reutilização de papéis e, nele, criei trabalhos. Foi um projeto bem simples: juntei vários papéis, dobrei cada folha ao meio e uni uma folha à outra usando cola. Depois pintei todas as páginas com gesso acrílico branco, para servir de base para os trabalhos. O gesso acrílico impermeabiliza o papel e tem a textura perfeita para transformar o papel em tela. Estou concluindo este art journal então preciso de um novo e a ideia de reaproveitar materiais é muito sedutora pra mim.

Para fazer este novo junk journal, juntei papéis de vários tamanhos, estampas e texturas. Se seu objetivo para o journal for pintar ou fazer colagem, é ideal que as folhas não sejam muito finas. No mais vale tudo: papel de presente, páginas de revistas, de livros, embalagens, etiquetas, partituras...

Desta vez planejei um journal mais elaborado. Dobrei todas as folhas ao meio e fui combinando-as entre si. Fiz várias brochuras de 6 folhas cada.

No ano passado usei uma agenda maravilhosa que ganhei do Kelly Batista Ateliê e a capa era linda demais para ser descartada. Então, seguindo alguns tutoriais - há uma infinidade deles no Youtube, as mais entusiastas fazem jounals mensais - costurei as brochuras, as uni entre si e usei a capa da agenda como capa do journal. Neste projeto, não costurei as brochuras na capa. Ao invés disso usei cola e fita gomada. Vou deixar no final do post alguns links de tutoriais, ok? Se você tiver alguma dúvida, me fala que a gente descobre junto.

Talvez você se pergunte como vai escrever ou desenhar numa folha que não está em branco. Depende de seu propósito, como disse antes. Se quiser desenhar ou escrever, pode passar gesso acrílico branco nas folhas mais escuras. Para colagens não é necessário e, dependendo do que for fazer, o fundo colorido só vai aumentar a beleza da página. Desta vez, vou decidir se uso gesso acrílico a cada página, dependendo do fundo e do que quero fazer. Aliás, é possível usar gesso acrílico transparente também, para fazer fundo na folha sem perder seu desenho.

Eu fiz uma pequena enquete nos stories do Luka Luluka no Instagram,  para saber se havia interesse em fazermos juntos o junk journal, passo a passo, mas não deu quorum rsrs. Então eu fiz sozinha e compartilho o resultado com vocês:



E estes são meus outros journals:

Journals para fotos da Instax

Journal para esboços de projetos

Journals anuais

para ATCs, envelopes e cartas recebidos

para zentangle

para anotar os livros lidos e algumas citações deles

Meu primeiro art journal



Abaixo os links para tutoriais de junk journals, todos em inglês, mas as imagens falam por si.

♥ DIY No Sew Junk Journal for Beginners

♥ Creating Cheap Junk Journal - Este vídeo é do canal Maremi SmallArt, da artista/crafter Marta Lapkowska, de quem eu gosto muito.

♥ Making a Junk Journal (Beginners Tutorial)

Nos dois primeiros vídeos, as capas dos journals são feitas com livros antigos, o que eu acho lindo. Pessoalmente só "destruo" livros para fins artísticos quando o livro já está deteriorado ou for um livro sem utilidade como um catálogo ou guia antigo.


Espero que tenha gostado de saber um pouco sobre journals, que se sinta inspirado(a) a fazer os seus, nem que seja num caderninho espiral comprado no mercado do bairro, onde você escreve uma ou duas linhas por dia. Mas precisa? Claro que não mas manter um diário é uma atividade criativa, meditativa e, por consequência, relaxante.

A propósito, sabiam que eu tinha um caderno da raiva? Pois é, quando eu estava no meu limite, a ponto de explodir, sufocada por situações que pareciam sem solução, eu pegava o caderno e escrevia tudo o que eu estava sentindo. A sensação posterior era de alívio. Há anos não o utilizo mais. Não que eu não sinta mais raiva mas aprendi que podemos controlar como nos sentimos diante das situações e que eu sou a dona das minhas emoções, não outra pessoa ou situação.


Sandra

Comentários

Postar um comentário

Deixa um comentário! Adoro quando vocês interagem com o blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descolar espelho de embalagem de pó compacto

Post rapidinho para compartilhar uma coisa que queria saber faz tempo e que aprendi agora.

O que você faz quando seu pó compacto acaba? Joga a embalagem fora?
Eu jogo a parte de baixo mas a tampa com o espelho eu guardo porque dá pra fazer tanta coisa legal com espelhos. O problema é que eu não sabia como descolar o espelho da tampa de plástico.

Iogurtes Infinitos, quase dois meses depois

Faz 53 dias que iniciei a saga dos iogurtes infinitos. Como eu imaginava que aconteceria, chegou um ponto em que ficou insustentável cultivar 11 tipos de iogurtes diferentes, fazer a troca todos os dias, cuidar dos copos e talheres usados e ainda, consumir todos eles... ufa!

Mas não pensem vocês que eu desistiuyj7. Separei dois deles para cultivo, greek e colágeno, que são os mais suaves, e congelei os demais, em saquinhos de sorvete.

Recentemente uma leitora do Luka Luluka no Instagram me perguntou sobre o viili, então eu descongelei este também e estou usando os três. Em comparação ao greek e ao colágelo, o viili é mais azedinho. Eu gostei. E a consistência dele é linda, bem cremosa.

Enquanto cultivava os 11 iogurtes, com a correria do dia a dia, eu não estava conseguindo observar a diferença entre eles e a característica de cada um. Com o uso de dois ou três iogurtes, produzindo cerca de 50 a 100 ml de iogurte ao dia de cada um, fica mais sustentável o cultivo e a observação.

Quand…

Espalhe amor em seu blog!

O Luka Luluka foi criado há 4 anos e alguns meses atrás, fruto de minha vontade de me expressar e de compartilhar meus trabalhos e ideias. O desejo de torná-lo real vinha de muito antes mas foi a mudança de cidade - longe da família e dos amigos - que provocou reflexões e também ações, e permitiu a criação deste blog - e projeto - que eu tanto amo.

Esta postagem participa da blogagem coletiva proposta pela Elaine Gaspareto em parceria com a Divitae e a ideia é fazer um post mostrando como você espalha amor por aí: pode ser alguma coisa que você faça, uma história, o formato é livre, só tem que ser feito com muito amor.


Quando eu crio alguma coisa, só o faço porque sinto amor. Porque desejo de verdade. Tenho este preceito. Só faço quando posso, quando quero e realmente desejo. Porque linha industrial não combina com arte.

Quando reutilizo algum material que iria para o lixo, o faço porque sinto amor por nossa mãe Terra.



Recentemente virei ciclista. Não estilo corredora radical, mais pr…